Arquivo de Tag | indicações

Dica musical

Acordei hoje com uma música na cabeça. Uma que eu tenho ouvido até demais nos últimos dias e que tem tudo a ver com essas manhãs que – como a minha – são bem preguiçosas.

Oren Lavie, além de extremamente charmoso, é músico, compositor e diretor de teatro. E de um artista multifacetado assim, só podia nascer um conjunto de música e vídeo lindo como é o caso de “Her Morning Elegance”. Dá pra amar, hein.

Aproveitando o momento, se você curtiu a vibe da música, vale a pena conferir mais músicas do artista. O álbum “The Opposite Side of the Sea” é muito bom. Ouço e recomendo!

Anúncios

Para ter calafrios – “Carrie”

Tirei as férias de julho pra acabar com a sensação de falta de leitura que estava nesse semestre. Já faz um tempo – muito, por sinal -, que me perguntam direto se eu curto Stephen King, mas a verdade é que eu nunca tinha lido algo dele. Como eu já estava com muita vontade de ler, principalmente depois de ter assistido “O Iluminado”, com direção do Kubrick e baseado no livro dele,  foi fácil escolher um livro dele pra ler nas férias.

Li “Carrie, a estranha”. Eu confesso que não achei que fosse ser tão interessante, mas o livro é incrível! Li inteiro em dois dias e fiquei muito revoltada quando terminei, porque queria mais.

O livro conta a história de Carrie White, uma garota criada pela mãe em um ambiente de fanatismo religioso. Privada de muitas coisas e sendo motivo de piadas na escola, Carrie vive uma vida solitária demais para uma adolescente, até que é convidada para o baile.

A narrativa do livro segue um estilo que eu nunca tinha visto antes, e que talvez seja o que tanto me encantou. Stephen King escreve de uma maneira bem simples e de fácil leitura, sem deixar de lado a descrição das cenas. Logo no começo da história, o leitor já descobre que algo aconteceu durante o baile de formatura de um colégio americano e, no meio da narrativa, são citados trechos de livros fictícios escritos por personagens da trama, assim como trechos de inquéritos policiais sobre o ocorrido.

Pra quem gosta de terror e ambientes mais mórbidos – que talvez sejam a minha grande paixão no que diz respeito a literatura -, o livro é uma escolha incrível de leitura que vai te deixar com vontade de ler de uma vez só. Recomendo e muito!

E se você prefere uma coisa mais visual do que leitura, existe o filme “Carrie”, de 1976 e com direção de Brian De Palma, baseado no romance.

Eu não gostei tanto do filme. Talvez, porque tenha gostado demais do livro e achado que a adaptação para cinema pecou em algumas cenas, mas ainda assim vale a pena assistir, ainda mais com a linda da Sissy Spacek interpretando o papel principal e a participação (fraca, ok, mas válida também) de John Travolta, em um de seus primeiros papéis no cinema (ainda antes da participação histórica como Danny Zuko em Grease).

Sissy Spacek como "Carrie White"

John Travolta como "Billy Nolan"

Separei o trailer para vocês darem uma olhadinha:

Espero que gostem da dica, meninas! “Carrie”, tanto em livro quanto em filme, é uma ótima escolha para o frio que está fazendo neste inverno. Filme de terror numa noite fria é o que há!

Só as crianças sabem o que procuram…

Oi gente! Outro livro que consegui ler nas férias, e tenho vergonha de falar que nunca tinha lido haha, foi O Pequeno Príncipe 😀 Com certeza, você já deve ter visto uma frase desse livro por ai, né? haha

O Pequeno Príncipe

 

“Livro de criança? Com certeza.

Livro de adulto também, pois todo homem traz dentro de si o menino que foi.

Como explicar a adoção deste livro por povos tão variados, em tantos países de todos os continentes? Como explicar que ele seja lido sempre por tantos milhões e milhões de pessoas? Como explicar a atualidade deste livro traduzido em oitenta línguas diferentes?

Como compreender que uma história aparentemente tão ingênua seja comovente para tantas pessoas?

O Pequeno Príncipe devolve a cada um o mistério da infância. De repente retornam os sonhos. Reaparece a lembrança de questionamentos, desvelam-se incoerências acomodadas, quase já imperceptíveis na pressa do dia-a-dia. Voltam ao coração escondidas recordações. O reencontro, o homem-menino.”

Gente, o livro é simplesmente apaixonante! Da pra ler numa sentada e você fica super pensativo depois de ler haha Talvez, para alguns, seja apenas uma história de criança, sobre um homem que encontra um menino, mas se você parar pra pensar e refletir um pouco, percebe que o livro tem muito a ensinar, principalmente aos adultos.

Vale cada palavra! Super recomendo!!

Beijinhos =**

Vamos ler um pouco?

Oláá! Nossa, faz tempo que ninguém fala de livros aqui, né?? Isso porque todas nós fazemos jornalismo! haha mas nos últimos meses, não tinha como sugerirmos pra vocês o que estávamos lendo, só estudiosos/críticos da comunicação, entre outros =x Mas nas férias, consegui tirar o atraso dos livros que estavam abandonados num canto do meu quarto ;D E hoje vou começar falando, ou melhor, vou falar de novo de Agatha Christie! =)

Pra quem gosta de um bom romance policial vale a pena ler qualquer livro dela! Eu simplesmente adoro! E dessa vez eu li O Mistério do Trem Azul.

O Mistério do Trem Azul - Agatha Christie

“Quando o luxuoso Trem Azul chega a Nice, na Rivieira Francesa, um guarda tenta acordar a serena Ruth Kettering, uma jovem atraente e riquíssima herdeira. Qual não é o seu susto ao perceber que ela está morta, assassinada com um pesado golpe na cabeça que a deixou quase irreconhecível. Além disso, alguém roubou seus preciosos rubis. O primeiro suspeito é Derek, o marido de Ruth. Mas Hercule Poirot não está totalmente convencido, então monta uma completa reconstituição do crime e da viagem (…)”

Não coloquei tudo porque achei que contava demais haha Bom, mas o livro é ótimo! É impossível parar de ler, ainda mais quando chega na metade… e o final, surpreendente! Você chama todo mundo de assassino(a), menos o(a) verdadeiro(a)! haha

Recomendo!!

Beijinhos =**

Ao alto e avante!

Desculpaaa!! Era pra ter postado ontem o meu esmalte, mas não deu tempo!! Então vim hoje mostrar =) Antes tarde do que nunca, né? xD

                                                    Azul Aviador – Impala

 Vou de Azul Aviador, da Impala, um azul com roxo, ou roxo com azul, que muda a tonalidade conforme o humor a luz.

Ele é bem ralo, mas, de verdade, achei que fosse pior. Via o pessoal aterrorizando e acabei esperando beeem menos dele, tipo, tenho um da Hits (o 205) que é zilhões de vezes bem pior, então me surpreendeu =D Passei três camadas e vale a pena qualquer sacrifício que se possa ter na hora de passar pra ter essa cor linda. No dia que passei, tava um calaor do cão e não formou bolinha \o/ #todoscomemora

Já achei um primo dele, no dia que passei, minha amiga estava com um da Lapogee, se não me engano o Atena, e é bem parecido, só que o Atena é mais puxado pro azul.

Bom, mas como eu demorei pra postar ele, vou dar um bônus 8D

Toda vez que falo desse esmalte, lembro do filme O Aviador (2004). Quem já viu? Já faz alguns anos que assisti, acho que foi em 2004 mesmo =P, mas gostei muito! Vale a pena ;D Quem quiser uma sugestão de filminho pro feriado, assiste esse aí!

O Aviador (2004)

 

Sinopse

Howard Hughes (Leonardo DiCaprio) ficou milionário já aos 18 anos, devido à herança que seu pai, um inventor texano, deixou para ele. Pouco depois ele se mudou para Los Angeles, onde passou a investir na indústria do cinema. Hughes ajudou a carreira de vários astros, como Jean Harlow (Gwen Stefani), e ainda trabalhou em filmes de grande sucesso, como “Hell’s Angels”, que dirigiu. Paralelamente Hughes se dedicou a uma de suas maiores paixões, a aviação, e se envolveu com as atrizes Katharine Hepburn (Cate Blanchett) e Ava Gardner (Kate Beckinsale).

O filme levou quatro Oscars, além de ter sido indicado para outras categorias, entre elas de melhor filme. Vale muito a pena!

Um ótimo feriado a todos! o/

“As-tu Dejá Aimé?”

Moranguinhos, eu estava com tanta saudade de vocês! A semana passada inteira foi uma grande correria pra mim, no bom sentido, já que fui todas as noites ao teatro ver os meus orgulhos apresentarem suas lindas peças. Eu acho que nem sei dizer o quanto sinto falta do curso de teatro. Se eu ainda morasse aqui em Bauru, com certeza jamais teria largado isso.

Mas, enfim, agora que as peças acabaram, eu estou de volta. Já vi que a Bru cuidou muito bem do blog enquanto eu estive fora. Estou babando até agora naqueles modelitos do tapete vermelho do SAG que ela postou aqui.

Como eu não preparei nada para o post de hoje, resolvi indicar mais um filme que eu gosto demais e que acho que todos vocês deviam ver.

Eu amo musicais e Les Chansons D’Amour (2007) é um dos meus favoritos. Além de ser em francês (o que deixa as músicas muito lindas), o filme é todo tranqüilo do jeito que eu gosto e com um conflito super interessante entre amor duradouro e passageiro.

No filme, o casal Ismaël (Louis Garrel) e Julie (Luidivine Sagnier) resolvem embarcar em um ménage à trois para animar a relação de anos.

Depois de algumas coisas acontecerem na história – que eu até poderia contar pra vocês, mas prefiro que vejam -, surge o meu personagem preferido, o Erwann (Grégoire Leprince-Ringuet), um jovem que se torna muito importante para Ismael e que é essencial para o conflito do enredo.

Escrito e dirigido por Christophe Honoré, e com músicas de Alex Beaupain, o filme tem músicas lindas e as vozes dos atores são incríveis e combinam demais com toda a aura da produção.

Encontrei o clipe para vocês darem uma olhada:

Amores, vale muito a pena. Eu já devo ter assistido esse filme mais de cinco vezes e nunca me canso.

Les Chansons D’Amour (2007), dirigido por Christophe Honoré, é indicação do Morango no Mel!

 

“The world’s most wonderful musical!”

E 2011 finalmente chegou, amores! E queria aproveitar a chegada do ano para indicar um filme que eu acho lindo e puro luxo.

Ok, todos sabem que, quando algum filme envolve Marilyn Monroe, ele já é praticamente considerado um dos clássicos da época das grandes divas do cinema, mas o filme que eu quero indicar pra vocês não tem apenas uma, mas duas divas lindíssimas dando show.

Os Homens Preferem as Louras (1953) é considerada a grande obra da carreira da linda Marilyn e conta a história de duas dançarinas e melhores amigas Lorelei Lee (Marilyn Monroe) e Dorothy Shaw (Jane Russell) que viajam juntas para Paris sem saber que estão sendo observadas por um detetive contratado pelo futuro sogro de Lorelei, que não aprova o casamento dela com seu filho e quer garantir que a loira não seja infiel.

As duas divas interpretam mulheres que vivem no glamour das apresentações musicais em Manhattan e são amigas inseparáveis, apesar de serem muito diferentes. Enquanto Lorelei acredita que o mais importante em um homem é o dinheiro, Dorothy odeia materialismos e se encanta por homens bonitos e charmosos.

Baseado no romance escrito por Anita Loos em 1925 e dirigido por Howard Hawks, o musical tem cenas lindas e músicas consagradas, como “Diamons Are a Girl’s Best Friend”, interpretada por Marilyn com todo o brilho das apresentações da Broadway.

Encontrei o trailer para vocês verem que eu não estou exagerando quando falo o quão cheio de glamour é o musical:

Esse filme estava na minha lista há eras e eu só consegui ver há pouco tempo. Amei! Eu sou completamente encantada por essa época e todo o glamour que praticamente paira nos livros e filmes que a retratam. Isso sem contar que tanto a Marilyn quanto a Jane (que me encantou mais do que tudo no filme) são pinups vivas na história: lindas, independentes e luxuosas.

Em 1955, Jane Russell estrelou junto com Jeanne Crain a continuação do filme, “Gentlemen Marry Brunettes”, também baseado em um romance de Anita Loos. Ainda não tive tempo de assistir esse, mas pretendo. E se for tão bom quanto o primeiro, com certeza vai ganhar um post aqui no blog, também. Quanto aos livros da Anita Loos, vão entrar pra minha listinha e espero poder lê-los também.

Gentlemen Prefer Blondes (1953), dirigido por Howard Hawks, é indicação do Morango no Mel!